Se faltar vacina no Brasil, a conta será debitada em Bolsonaro, avaliam aliados do presidente


A equipe do presidente Jair Bolsonaro diz que acendeu o sinal de alerta dentro do Palácio do Planalto no que pode se transformar na nova crise relacionada ao coronavírus no país, depois da tragédia em Manaus. Pode faltar vacina no Brasil para dar continuidade ao Programa Nacional de Imunização.

Neste caso, interlocutores e assessores do presidente avaliam que a responsabilidade pela falta de vacina no país pode acabar sendo debitada na conta de Bolsonaro. Afinal, conflitos criados pelo atual governo com a China podem acabar atrasando ainda mais a exportação de princípios ativos do país asiático para o Brasil, impedindo que Butantan e Fiocruz produzam vacinas aqui em fevereiro.

A Fiocruz, inclusive, já divulgou que seu planejamento mudou e não terá mais condições de produzir vacinas no mês que vem, como previsto inicialmente, por causa do atraso na importação dos princípios ativos para fabricação do imunizante nos seus laboratórios. Os produtos estão parados na China desde dezembro e a avaliação é que questões diplomáticas, mais do que burocráticas, estão travando a vinda dos insumos.

No caso do Butantan, o instituto tem uma expectativa de que os insumos sejam liberados já na semana que vem com base nas negociações feitas pelo governo de São Paulo com a China. Neste caso, a produção poderia ter continuidade em fevereiro. A avaliação no governo paulista é que o Butantan tem a vantagem de ser ligado a São Paulo, que tem uma boa relação com os chineses, ao contrário do que acontece com o governo brasileiro.

Ou seja, destacam interlocutores de Bolsonaro: além de perder a foto da primeira vacinação para o governador João Doria, agora o presidente da República pode ficar na dependência exatamente da CoronaVac, que ele tanto criticou, para que a vacinação no Brasil não seja interrompida e pelo menos continue de forma gradual.

Aos pés de Senhora Santana, vacinação anti-Covid começa em Serrinha

 

Após receber as primeiras doses da vacina contra a Covid-19, a Secretaria Municipal de Saúde de Serrinha iniciou a imunização nesta terça-feira (19), aos pés da imagem de Senhora Santana, o monumento mais famoso da cidade. O primeiro cidadão a receber a CoronaVac, vacina desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac, foi André Oliveira, de 46 anos. Ele é técnico de enfermagem, reside no bairro Cidade Nova e atua na UTI Covid do Hospital Municipal.

Um helicóptero do Grupamento Aéreo da Polícia Militar (Graer) pousou em Serrinha por volta das 6h40 com o primeiro lote do imunizante. Ás 16h30, as doses foram transportadas para a Colina Sagrada, no bairro da Santa, onde foi realizada a vacinação simbólica. O secretário da Saúde Alexandre Taim acompanhou o registro histórico.

Devido ao número reduzido de doses (914), poucos grupos prioritários vão ser imunizados neste primeiro momento. Como são duas injeções para imunizar cada pessoa, 457 serrinhenses devem ser vacinados. Para imunizar todas as pessoas que fazem parte do grupo prioritário da 1ª fase, a cidade precisa de 35.206 doses. As 914 representam um percentual de 2,59% do total necessário.

Secretário da Saúde Alexandre Taim acompanhou o registro histórico

O plano de imunização municipal contra a Covid-19 foi divulgado pelo prefeito Adriano Lima (PP) na noite desta terça-feira. Ele será dividido em quatro etapas e a primeira vai contemplar profissionais de saúde que trabalham na linha de frente do enfrentamento à pandemia, como Lacen, Samu, PA Covid, UBS Luís Eduardo Magalhães e UTI Covid, além de idosos que vivem em asilos.

O plano de vacinação de Serrinha, que define os grupos prioritários de vacinação, segue os moldes do Ministério da Saúde. Confira quais serão as fases de vacinação:

•    Primeira fase: trabalhadores da Saúde; população idosa com 75 anos ou mais; pessoas com 60 anos ou mais, que vivem em instituições de longa permanência, asilos ou instituições psiquiátricas; indígenas, aldeados, povos de comunidades ribeirinhas.
•    Segunda fase: pessoas de 60 a 74 anos.
•    Terceira fase: pessoas com comorbidades crônicas; tranplantados e obesos.
•    Quarta fase: trabalhadores da educação; pessoas com deficiência severa; membros das forças armadas; membros das forças de salvamento; funcionários do sistema carcerário; população em privação de liberdade; trabalhadores do transporte coletivo; trabalhadores rodoviários de carga.

1° Lote de Vacinas contra o Coronavírus é entregue na Regional Serrinha

 


1° Lote de Vacinas contra o Coronavírus são entregues na Regional Serrinha

Menos de 12 horas após a chegada à Bahia, a logística do Governo do Estado se provou eficiente, entregando logo pela manhã nas regionais de saúde os lotes da vacina contra COVID-19.

Segundo informações de funcionários da Base Regional de Saúde, logo após o pouso ontem as 22 horas trazendo o lote de vacina da Bahia, imediatamente começou a distribuição através de aviões para as regionais acima de 300 quilômetros e de helicópteros para distâncias abaixo de 300 quilômetros.

Todos os municípios da Regional Serrinha irão receber as vacinas ainda hoje, porém, nessa primeira fase só serão vacinados os profissionais da linha de frente da saúde, idosos e deficientes em instituições de longa permanência e indígenas aldeados.

A vacina distribuída é CoronaVac, produzida pelo Instituto Butatan.


Com informações da Página Equipe Mais Mudanças

Fundo diz que Anvisa não recusou pedido da Sputinik V

 

O Fundo de Investimento Direto da Rússia divulgou nota nesta segunda-feira, 18, por meio da Embaixada da Rússia no Brasil, negando que o pedido de autorização emergencial para a vacina Sputinik V tenha sido recusado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

De acordo com o fundo, a agência solicitou informações adicionais sobre a vacina, que serão “fornecidas brevemente”. “A solicitação de informações adicionais pelo regulador é um procedimento padrão e não significa uma recusa de registro”, diz a nota.

No domingo, 17, a Anvisa disse que há informações insuficientes no caso da Sputinik V. O imunizante não cumpriria um requisito importante, a realização de estudos clínicos na Fase 3 LINK 1 .

O Fundo de Investimento Direto da Rússia declarou no comunicado que aguarda projeto de lei já aprovado na Câmara dos Deputados e que ainda precisa ser apreciado no Senado, que permitiria o uso no Brasil de vacinas autorizadas em outros países.

O fundo informou ainda que a vacina teve o uso em caráter emergencial autorizado na Sérvia, Argentina, Belarus, Bolívia, Argélia, Palestina, Venezuela e Paraguai.

A Agência Brasil entrou em contato com a Anvisa e aguarda retorno.

Oxigênio enviado pela Venezuela a Manaus chega ao Brasil


A carga de oxigênio enviada pela Venezuela para ajudar Manaus, castigada por uma nova onda da pandemia de Covid-19, entrou em território brasileiro. Espera-se que o comboio, que cruzou a fronteira com o estado de Roraima, chegue a Manaus na terça-feira, 19, por volta das 10h.

O presidente venezuelano Nicolás Maduro disse que o comboio é de seis caminhões. A mídia brasileira mostrou imagens de quatro veículos entrando no país.

A caravana, com 136 mil litros de oxigênio, deve ajudar a amenizar a situação em Manaus, cidade de 2,2 milhões de habitantes, onde os hospitais entraram em colapso após uma explosão de casos do coronavírus.

O país enviou a ajuda a seu vizinho apesar de o governo do presidente Jair Bolsonaro não reconhecer o do venezuelano Maduro, a quem chama de "ditador" de esquerda.

Maduro disse no domingo que a situação em Manaus é um "escândalo" e que "a Venezuela estendeu sua mão solidária ao povo do Amazonas". O presidente Bolsonaro ironizou o envio da ajuda, mas se mostrou disposto a recebê-lo.

"Se o Maduro quiser fornecer oxigênio para nós, vamos receber sem problema nenhum. Agora, ele poderia dar auxílio emergencial para o seu povo também. O salário mínimo lá não compra meio quilo de arroz", disse o presidente nesta segunda-feira a apoiadores em Brasília.

"Lá eles não têm cachorros, por que? Alguma praga? Comeram todos os cachorros, comeram todos os gatos. E aí vêm uns idiotas elogiando: olha o Maduro, que coração grande!", acrescentou Bolsonaro.

A Venezuela enfrenta a pior crise econômica de sua história moderna, com hiperinflação e sete anos de recessão, o que impactou seu próprio sistema de saúde, afetado pela escassez de suprimentos médicos e material de proteção para a covid-19.

Jaime Lorenzo, membro da ONG Médicos Unidos Venezuela, explicou à AFP que o oxigênio não acabou nos hospitais, mas que a infraestrutura para atender problemas respiratórios é precária.

No entanto, há pacientes em regiões fronteiriças como Táchira que precisaram recorrer ao mercado clandestino para comprar oxigênio.


Fonte: A Tarde

Cadeirante é preso após esfaquear esposa em Conceição do Coité

 

O cadeirante Bruno Cardin Araújo, de 31 anos, foi preso em Conceição do Coité, no território do Sisal, após esfaquear a esposa na tarde deste domingo (17). Segundo apurou o PCS, o crime aconteceu por volta das 12h20 no conjunto habitacional Mário da Caixa.

Equipes da Polícia Militar foram acionadas para atender uma ocorrência de violência doméstica e, ao chegaram ao local, os policiais encontraram Sabrina Kelly Silva Reis, de 34, com ferimentos de facadas no rosto e no braço. Ela contou que o marido a esfaqueou.

O suspeito foi conduzido ao Plantão Policial de Riachão do Jacuípe, onde foi preso por violência doméstica e recolhido à carceragem da 15ª Coordenadoria Regional de Polícia do Interior (Coorpin). A mulher recebeu os primeiros socorros no Hospital Português e, em seguida, foi transferida para outra unidade.

Sabrina Kelly foi esfaqueada no rosto e no braço; ela segue internada

Crime ocorreu por volta das 12h20 no bairro Mário da Caixa

Pazuello diz que começa a distribuir vacinas às 7h de segunda-feira para todos os estados e prevê início da vacinação para quarta às 10h

 


O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, disse que o governo começa nesta segunda, às 7h, a distribuição de vacinas contra a Covid-19 para todos os estados. Ele também previu o início da campanha para quarta-feira, às 10h.

A distribuição, segundo o ministro, será feita pela FAB a "pontos focais" definidos por cada estado.

"Está dado o primeiro passo para o início da maior campanha de vacinação do mundo contra o coronavírus", afirmou, referindo-se à aprovação da Coronavac e a de Oxford/AstraZeneca pela Anvisa.

"Poderíamos num ato simbólico ou numa jogada de marketing iniciar a primeira dose em uma pessoa, mas em respeito a todos os governadores, prefeitos e todos os brasileiros, o Ministério da Saúde não fará isso", acrescentou o ministro. Ele afirmou que a aplicação da primeira dose da vacina em São Paulo é "uma questão jurídica".

"Todas as vacinas produzidas pelo Butantan estão contratadas de forma integral e de forma exclusiva para o Ministério da Saúde e para o PNI, todas, inclusive essa que foi aplicada agora. Isso é uma questão jurídica. Não vou responder agora, porque a Justiça que tem que definir. Como foi feita a entrega sem ter feito a liquidação nos nossos depósitos, para depois para a distribuição para o estado", afirmou Pazuello.

"Isso é uma questão que sai, vai para o lado do contrato efetuado.Tudo o que tem no Estado de São Paulo no Butantan é contratado pelo MS, pago pelo SUS, pago pelos senhores. E o contrato é claro, ele é de exclusividade, de 100% das doses", disse o general.

Pazuello disse que as 6 milhões de doses do Butantan serão distribuídas proporcionalmente aos estados. "Qualquer movimento fora desta linha está em desacordo com a lei".

Vacina da Fiocruz
Pazuello disse ainda que "é muito provável" que Ministério consiga "coordenar a entrega" após início desta semana das 2 milhões de doses que foram adquiridas pelo Brasil da vacina de Oxford/AstraZeneca feitas pelo Instituto Serum, da Índia.

"Numa conversa ainda em nível diplomático ficou claro que a Índia ia começar sua vacinação no sábado (16) e que seria interessante que essa saída das doses da Índia após o início da vacinação, 1 dia, 2 dias. Hoje é o primeiro dia após o início da vacinação", afirmou.

Ministro diz que cuidados precisam continuar

O ministro afirmou ainda que os cuidados contra a transmissão da Covid-19 não devem ser interrompidos "em hipótese alguma", apesar do início da vacinação.

"Volto a dizer: não podemos em hipótese alguma relaxar as medidas preventivas. Uso de máscara, álcool em gel na mão, distanciamento social - situações como esta que estamos, por exemplo [entrevista coletiva]... [Evitar] aglomerações... As empresas e estabelecimentos que têm autorização para trabalhar e devem trabalhar, a economia não deve parar, elas devem ter as medidas de cuidados muito claras".

Aprovação
A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou neste domingo (17), por unanimidade, o uso emergencial das vacinas Coronavac e da Universidade de Oxford contra a Covid-19. A reunião que discutiu o tema durou cerca de 5 horas.

Os diretores acompanharam o voto de Meiruze Freitas, relatora dos pedidos. No caso da Coronavac, a diretora condicionou a aprovação à assinatura de termo de compromisso e publicação em "Diário Oficial".

Depois da aprovação, o governo de São Paulo aplicou a primeira dose da CoronaVac na tarde deste domingo (17).

A enfermeira Mônica Calazans, de 54 anos, moradora de Itaquera, na Zona Leste da capital paulista, foi a primeira pessoa, fora dos estudos clínicos, a receber a vacina.

Fonte: G1

Anvisa aprova uso emergencial das vacinas CoronaVac e AstraZeneca no Brasil


A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) aprovou na tarde de hoje os pedidos de uso emergencial no Brasil das vacinas CoronaVac, produzida pelo Instituto Butantan com o laboratório chinês Sinovac, e AstraZeneca, desenvolvida pela Universidade de Oxford com a Fiocruz. Os dois imunizantes são os primeiros aprovados no país no combate à covid-19. 

As vacinas serão usadas preferencialmente para uso em programas de saúde pública e, inicialmente, destinado para imunização de pessoas de grupos de risco como indígenas, idosos e profissionais de saúde. A diretoria da Anvisa decidiu pela liberação emergencial durante reunião que ainda acontece neste domingo

Durante a manhã e o início da tarde, ambas as vacinas foram recomendadas, com ponderações, pela gerência técnica da Anvisa. Depois, a diretora da Anvisa e relatora dos pedidos, Meiruze Sousa Freitas, votou pela aprovação da AstraZeneca e, com ressalvas, da CoronaVac. 

Na sequência, os diretores Romison Rodrigues Mota e Alex Machado Campos seguiram a relatora, atingindo a maioria e liberando o uso dos imunizantes contra a covid-19. Votarão, ainda hoje, Cristiane Rose Jourdan Gomes e Antonio Barra Torres, que é diretor-presidente da agência. 

Com o aval do uso emergencial das vacinas, o Brasil já pode, em tese, aplicar os imunizantes. A medida vale a partir do momento em que a decisão for publicada no Diário Oficial da União, o que deve ocorrer neste domingo. O Butantan já tem 10,8 milhões de doses disponíveis para aplicação, enquanto a Fiocruz aguarda chegada do imunizante vindo da Índia, ainda sem data prevista. 

O início da imunização dependerá, porém, da organização da campanha e da logística de distribuição de doses. A expectativa do Ministério da Saúde é começar a vacinação nesta semana. Já o governo paulista quer iniciar a vacinação ainda hoje

Total de mortes no mundo por covid-19 passa de 2 milhões

 

O número de mortes provocadas pela pandemia do novo coronavírus já ultrapassou dois milhões.

Dados reunidos pela Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos, apontam para o número exato de 2.000.905 mortos em inúmeros países.

A contagem diária do número de mortes por vezes ultrapassou 15 mil desde dezembro. O maior número de óbitos por país ocorre nos Estados Unidos.

Doença cresce no Japão
O governo de Tóquio confirmou hoje (16) 1.809 novos casos de coronavírus na capital japonesa.

Trata-se da segunda maior marca para um dia de sábado, após os 2.268 casos registrados em 9 de janeiro.

O número total de pessoas com diagnóstico positivo em testes para o coronavírus em Tóquio é agora de 83.878.


Adolescente morre após batida entre moto e carro na BR-116, em Teofilândia

 

O adolescente João Victor Matos Reis, de 16 anos, morreu na manhã desta sexta-feira (15), após um acidente envolvendo a moto em que ele estava e um carro modelo Fiat Siena, na BR-116, altura da entrada da localidade conhecida como Rocinha, em Teofilândia, na região sisaleira da Bahia. 

De acordo com informações da Polícia Militar, uma ambulância do Samu foi acionada para prestar socorro ao adolescente, mas ele não resistiu aos ferimentos e morreu no local. Não há informações sobre as circunstâncias do acidente. Segundo a PM, o carro era conduzindo por um homem identificado como José Valdinei Rodrigues Bezerra, de 43 anos.

 A polícia não informou se ele sofreu algum tipo de ferimento. Além da PM, equipes da Polícia Rodoviária Federal e do Departamento de Polícia Técnica estiveram no local. A Polícia Civil deve investigar o caso.

Deputado Osni anuncia ampliação da rede de abastecimento de água em Serrinha

 

A universalização da água está cada vez mais próxima em Serrinha! O deputado Estadual Osni Cardoso (PT) anunciou nesta sexta, 15, que sua indicação de ampliação da rede de abastecimento do município foi atendida. Pelo projeto, que será executado pela EMBASA, três novos reservatórios serão construídos, cinco já existentes serão reformados, e será perfurado um novo poço em Biritinga que vai atender a sede e diversos povoados de Serrinha.

Com a ampliação da rede de abastecimento de água, a população do município terá uma melhor qualidade de vida. “A universalização da água é um sonho antigo que vai se tornando realidade. Conseguimos a ampliação da rede de abastecimento, o que será de extrema importância e irá minimizar as constantes falta de água, e vamos seguir lutando para ampliar ainda mais a rede de água em Serrinha”. (Fonte: assessoria de comunicação)

Whindersson Nunes convoca Gusttavo Lima e outros artistas para campanha por oxigênio para Manaus

 

Whindersson Nunes convocou Gusttavo Lima e outros artistas para uma campanha para viabilizar oxigênio para Manaus.

O sistema de saúde amazonense entrou em colapso após as internações por Covid-19 no estado baterem recorde. Sobrecarregados, os hospitais ficaram sem oxigênios para pacientes. Médicos transportando cilindros nos próprios carros para levar ao hospital e familiares tentando comprar o insumo foram algumas das cenas registradas pelo G1 nesta quinta (14). Doentes começaram a ser levados para outros estados. Cemitérios estão lotados e instalaram câmaras frigoríficas.

O humorista explicou que tem um "carinho especial por Manaus porque foi uma das primeiras cidades a me dar moral como artista, nunca me esqueço, me ajudou a ser o artista que sou hoje".

"Muitas doações no pix pra materiais hospitalares, e temos um valor de 150 cilindros de 50L", afirmou Whindersson ainda na noite de quinta-feira (14).


O humorista contou que estava com um grupo de amigos no WhatsApp e que, com isso, conseguiu o auxílio de Tirulipa, Tatá Werneck, Simone (dupla de Simaria), Tierry, Marília Mendonça, Wesley Safadão e outros artistas.

Ao ver o pedido de Whindersson, o autor Paulo Coelho também se comprometeu em ajudar.


"Ninguém comprou cilindros, os artistas estão se comprometendo publicamente a ajudar com o valor dos cilindros, se mobilizando pra ajudar de alguma forma", explicou o artista.

Ele também pediu o auxílio do sertanejo Gusttavo Lima para ajudar na logística para levar os cilindros.


"Estamos desenhando toda a logística e sábado estará chegando em Manaus 150 cilindros de oxigênio. Estou com todos vocês, manauaras", respondeu o sertanejo, manifestando seu apoio à campanha.

Nesta quinta-feira (14), o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmou que o governo não tinha transporte para mandar os cilindros por conta própria.

Whindersson pediu também apoio das autoridades e afirmou que seu empresário já está em contato com a empresa White Martins, principal fornecedora de oxigênio do governo do Amazonas, para tentar viabilizar o andamento da campanha.

Fonte: G1

Incêndio destrói dois ônibus da banda ‘Os Clones’ em Feira de Santana

 

Dois ônibus foram incendiados por volta das 3h da madrugada desta quinta-feira (14), no Conjunto ACM em Feira de Santana. Os veículos estavam estacionados na rua ao lado da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias e pertencem a banda ‘Os Clones’ e ao cantor Paulo Roberto Romão de Macedo, de 31 anos, conhecido pelo nome artístico de Zezé Júnior.

Ainda muito abalado com o fato, ele contou que acordou às 5h da manhã de hoje com seu pai batendo no portão da sua casa para informar sobre o incêndio. Quando Zezé Júnior chegou ao local, se deparou com os dois veículos totalmente destruídos. Ele relatou que um dos ônibus era para trabalho da Banda ‘Os Clones’ e o outro para um projeto solo, que tinha acabado de lançar, mas não conseguiu avançar muito por causa da pandemia de covid-19.

“Quando meu pai chegou batendo a campainha, achei até que pudesse ser morte de algum parente. Ele falou: ‘Corre lá, que os ônibus estão pegando fogo’. Quando eu cheguei aqui só estavam os ferros. Estamos muito abalados, decepcionados, tristes com o ser humano. Como uma pessoa consegue fazer isso, destruir um sonho, um patrimônio? A gente levou tantos anos para conseguir e a gente que vem sofrendo na pandemia, quase um ano, sem fazer show, sem fazer nada e por isso que os ônibus estavam parados. Deixamos perto da nossa casa para que pudéssemos ficar de olho, colocando para funcionar, até porque a gente não tinha outro espaço e nem como pagar aluguel”, relatou.

Zezé Júnior informou também que alguns instrumentos e outros materiais estavam dentro dos veículos. Com a pandemia e as dificuldades financeiras impostas por ela, ele precisou fechar a sede física de trabalho dele e da banda. Levou alguns materiais para um quarto nos fundos de casa e a outra parte distribuiu nos ônibus. Para ele, ainda não dá para calcular o prejuízo, mas somente os dois veículos estão avaliados em cerca de 300 mil reais.

De acordo com o músico, tudo indica que o incêndio foi criminoso e câmeras de segurança captaram as imagens de um homem ateando fogo nos veículos.

Irmão de Zezé Júnior e integrante da banda Os Clones, o cantor “Dudu” relatou que os ônibus destruídos pelo incêndio são frutos de uma vida inteira de trabalho e muita luta. De acordo com ele, a ‘ficha’ ainda não caiu. “A gente vem lutando há muito tempo para conseguir nossas coisas, conseguimos os ônibus e vem uma pessoa sem coração que acaba com tudo. Acordei desesperado e estou aqui ainda sem saber o que dizer, o que fazer. Estamos parados há quase um ano e agora que saiu a vacina, estávamos ansiosos em voltar. Depois disso, não sabemos nem por onde começar”, lamentou.