Estudo aponta que novo coronavírus pode ficar no organismo por mais tempo que a quarentena

 

A infecção por Sars-CoV-2 (novo coronavírus) pode ficar no organismo por mais tempo que a quarentena, segundo um estudo realizado por pesquisadores da Plataforma Científica Pasteur-USP (PCPU), apoiado pela Fapesp e publicado na revista Frontiers in Medicine.

Segundo o Viva Bem, do Uol, um homem de 38 anos apresentou durante 20 dias sintomas leves de Covid-19 e permaneceu por mais 232 dias com o novo coronavírus sendo detectado no organismo. O caso atípico da infecção faz parte de um grupo de 38 pacientes acompanhados semanalmente, no início da pandemia, pelos especialistas.

O estudo é um alerta sobre os riscos de liberar pacientes com Covid-19 após sete ou 14 dias do teste positivo, como previam os protocolos iniciais.

“Dos 38 casos que acompanhamos, dois homens e uma mulher foram atípicos, permanecendo mais de 70 dias com o vírus detectável no organismo. Baseados nesse resultado, podemos dizer que cerca de 8% dos infectados pelo SARS-COV-2 podem apresentar capacidade de transmissão do vírus por mais de dois meses, sem necessariamente apresentar qualquer sintoma durante a fase final da infecção”, explica Marielton dos Passos Cunha, primeiro autor do estudo, realizado durante estágio de pós-doutorado na PCPU.

No início de 2021, pesquisadores do Instituto de Medicina Tropical da Universidade de São Paulo (IMT-USP) apresentaram outra evidência de que mesmo pacientes com sintomas leves o vírus pode permanecer ativo no organismo por mais tempo do que o esperado. Os especialistas analisaram 29 amostras de secreção nasofaríngea de pessoas que testaram positivo para Covid-19.

Mulher morre após receber descarga elétrica enquanto lavava roupa, em Serrinha

 

Uma mulher de 47 anos morreu após sofrer uma descarga elétrica por volta das 14h desta sexta-feira (14). O acidente aconteceu na casa da vítima, localizada no povoado Alto da Bandeira, em Serrinha. Segundo apurou a reportagem do PCS, Luciana Freitas Santos estava lavando roupa e teria mexido na tomada da máquina de lavar quando levou o choque. Ela foi encontrada por familiares caída no quintal da casa e levada para o Hospital Municipal.

De acordo com a equipe da unidade de saúde, foram feitos todos os procedimentos na tentativa de reanimá-la, mas a mulher já teria chegado morta no local. O Departamento de Polícia Técnica foi até o local onde o acidente aconteceu para realizar uma perícia e determinar a causa da descarga elétrica.

O caso serve de alerta para os cuidados que devem ser tomados ao lidar com aparelhos elétricos. De acordo com informações do Corpo de Bombeiros, acidentes podem ser evitados ao seguir algumas recomendações. Uma delas é nunca tocar em aparelhos movidos à eletricidade com as mãos ou o corpo molhado. * Com informações do repórter Reny Maia

Confira abaixo as recomendações dos Bombeiros para evitar choque elétricos:

- Não tente mexer na parte interna da tomada, nem com as mãos nem com objetos, como facas, tesouras, agulhas, etc.

- Não deixe crianças brincarem com tomadas ou interruptores. Coloque protetores ou esparadrapos nos locais.

- Mantenha os aparelhos elétricos em bom estado para evitar sobrecarga ou curto-circuito. Fique atento a pequenos choques ou problemas e providencia consertos sempre que necessário.

- Verifique sempre os fios elétricos que ficam à vista. Com o tempo, a sua capa protetora se desgasta. Nunca deixe um fio elétrico descoberto;

- Nunca pise em fios caídos no chão, principalmente se a queda foi consequência de uma tempestade;

- Não usar tomadas e fios em mau estado ou de bitola inferior à recomendada;

- Nunca substituir fusíveis ou disjuntores por ligações diretas com arames ou moedas;

- Não sobrecarregar as instalações elétricas com vários utensílios ao mesmo tempo, pois os fios esquentam e podem ocasionar um incêndio;

- Se a casa ficar desocupada por um período prolongado, desligue a chave elétrica principal.

- Não faça ligação clandestina, o popular gato.

Rixa antiga: Homem morre após levar facadas no abdômen em Serrinha

 

Flávio Almeida Rocha, de 55 anos, foi morto a facadas na tarde deste sábado (15), na Rua São Gonçalo, no bairro Vista Alegre, em Serrinha. Conforme apurado, a suspeita é que o crime tenha sido motivado por desavenças antigas entre os envolvidos. O agressor foi identificado como José Willian Conceição Barbosa, de 31 anos.

Uma fonte disse que tinha pouca informação sobre o crime, mas o que deu para apurar preliminarmente é que vítima e autor brigaram e travaram uma luta corporal momentos antes do assassinato. "Testemunhas relataram que eles trocaram socos em via pública e, depois disso, o cara [autor do crime] foi em casa buscar uma faca", disse a fonte.

Depois da briga, por volta das 15h30, os dois homens se encontraram novamente. Nesse momento, segundo relatos de moradores, Flávio estava conduzindo uma moto Yamaha YBR e, ao se aproximar de José Willian, que estava em uma bicicleta, fez uma manobra para atropelá-lo e ambos caíram no chão.

Em seguida, José Willian sacou uma faca do tipo peixeira e desferiu três golpes no abdômen da vítima. Flávio chegou a ser atendido pelo Samu, mas não resistiu aos ferimentos e morreu ainda no local. O suspeito fugiu após o crime. A Polícia Civil instaurou um inquérito para apurar o assassinato

Brasil tem primeira morte pela variante Ômicron confirmada

A prefeitura da cidade de Aparecida de Goiânia, próxima à capital de Goiás, informou nesta quinta-feira (6) o que afirmou ser a primeira morte de uma pessoa por covid-19 pela variante Ômicron.

A vítima foi um homem de 68 anos com comorbidades, doença pulmonar crônica e hipertensão arterial. Ele tinha sido vacinado com três doses de imunizante contra a doença. A confirmação foi realizada pelo programa de sequenciamento genômico do município.

Até o momento, a prefeitura de Aparecida de Goiânia identificou 55 casos da Ômicron na cidade. Segundo a administração municipal, o nível de prevalência da variante já é responsável por 93,5% dos casos.

Os primeiros casos da variante foram registrados em 12 de dezembro. A prefeitura informou que a Ômicron chegou a uma situação de transmissão comunitária há dez dias, no município.

“Perdemos um paciente vacinado, mas que tinha problemas crônicos de saúde, que são importantes fatores de risco da covid-19. Infelizmente, ele não resistiu. Uma vida perdida em meio a milhares salvas pela imunização”, afirmou o secretário de saúde do município, Alessandro Magalhães.

Até ontem, o Ministério da Saúde registrava 265 casos da variante ômicron e 580 possíveis diagnósticos positivos em investigação e nenhum óbito.

Covid: Bahia volta a registrar mais de mil novos casos em 24 horas

 Covid: Bahia volta a registrar mais de mil novos casos em 24 horas

Na Bahia, nas últimas 24 horas, foram registrados 1.288 casos de Covid-19 (taxa de crescimento de +0,10%) e 728 recuperados (+0,06%). O boletim epidemiológico desta quinta-feira (6) também registra 4 óbitos. Desde o dia 23 de novembro a Bahia não registrava um boletim com mais de mil casos novos.

Dos 1.273.955 casos confirmados desde o início da pandemia, 1.243.645 já são considerados recuperados, 2.756 encontram-se ativos e 27.554 tiveram óbito confirmado. Os dados ainda podem sofrer alterações devido à instabilidade do sistema do Ministério da Saúde. A base ministerial tem, eventualmente, disponibilizado informações inconsistentes ou incompletas.

boletim epidemiológico contabiliza ainda 1.694.008 casos descartados e 268.505 em investigação. Estes dados representam notificações oficiais compiladas pela Diretoria de Vigilância Epidemiológica em Saúde da Bahia (Divep-BA), em conjunto com as vigilâncias municipais e as bases de dados do Ministério da Saúde até às 17 horas desta quinta-feira. Na Bahia, 52.782 profissionais da saúde foram confirmados para Covid-19.

Vacinação

Até o momento temos 10.828.253 pessoas vacinadas com a primeira dose, 261.077 com a dose única, 8.857.185 com a segunda dose e 1.485.848 com a dose de reforço.

Jovem é presa e adolescente apreendido com drogas em Conceição do Coité

  

Uma jovem de 18 anos – que não teve o nome divulgado – foi presa e um adolescente, de 17 anos, apreendido, na noite de quarta-feira (5), em Conceição do Coité, na região sisaleira da Bahia, após serem flagrados com drogas. A Polícia Militar informou que a dupla foi abordada na rua Alfeu Araújo, bairro Carijé, e flagrada com dez porções de cocaína e duas de maconha, além de dois cigarros feitos com a erva. Eles foram encaminhados à Delegacia de Polícia Civil, onde o caso foi registrado.

Ômicron já é responsável pela maioria dos casos de Covid no Brasil

 

A variante ômicron já é responsável pela maioria dos casos de Covid no Brasil.

Você já percebeu que todo ano surge uma gripe diferente? É que os vírus têm a capacidade de se adaptar a novas situações para não desaparecer. São as mutações. O coronavírus usa a mesma estratégia.

Nos últimos dois anos, os cientistas identificaram e acompanharam de perto mais de 10 variantes. Um levantamento feito pela plataforma Our World in Data, com base nos dados de mais de 100 países, mostra a evolução do coronavírus, indicando que, no início da pandemia, as variantes alfa, beta e gama foram se espalhando de forma desordenada nos grandes centros. Em fevereiro de 2021, a Índia identificou os primeiros casos da variante delta. Em março, ela já estava no Reino Unido. Em cinco meses, tornou-se dominante no mundo.

Em novembro, surgiu uma nova variante, batizada de ômicron e que tem mostrado velocidade de contaminação ainda maior. Em menos de dois meses, passou a ser dominante – por exemplo – no Reino Unido, África do Sul, França, Estados Unidos, Japão e Brasil.

Quanto mais um vírus circula em uma população, maiores são as chances de surgirem mutações. Nem sempre elas são bem sucedidas. A maioria tem pouco ou nenhum impacto no vírus. Mas no caso da Covid-19, a cada mutação, a comunidade científica entra em alerta.

O doutor em genética David Schlesinger é presidente de um laboratório que faz testes para identificar as variantes da Covid-19.

“Mesmo sabendo que os outros países estão vendo essa subida vertiginosa, ainda é algo impressionante. Ômicron parece transmitir numa velocidade parecida com sarampo. Sarampo é o vírus que mais transmite para mais pessoas. Para cada pessoa infectada, ele transmite para 15 pessoas. Ômicron transmite algo entre 10 e 20 pessoas para cada pessoa infectada”, explica David Schlesinger.

O virologista Fernando Spilki diz que, na Europa, a ômicron tem mesmo se mostrado menos letal do que outras variantes, mas reforça que – mesmo assim – é preciso manter todos os cuidados.

“Ainda que em números absolutos e proporcionalmente nós possamos ter de fato menos internações e mortes, a virulência da variante ômicron ainda permite, especialmente em indivíduos sem uma imunização adequada, que ocorra, sim, internação e que, infelizmente, uma parte dos indivíduos infectados vá a óbito. Toda medida que puder expandir a vacinação ao máximo possível nesse momento e complementar a vacinação com medidas eficazes de controle, tais sejam uso de máscara adequadas, evitar aglomeração, manter locais ventilados é importante”, destaca Fernando Spilki.

 

Irmãos morrem após receberem descarga elétrica ao tentar conectar carregador de celular a tomada

  

Dois irmãos morreram após receberem uma descarga elétrica enquanto tentavam conectar um carregador de celular na extensão da tomada da casa em que moravam no distrito de Iratinga, zona rural de Itapajé, no interior do Ceará, na tarde de terça-feira (4). Segundo o g1, João Anderson da Silva Mesquita, de 17 anos, e José Gabriel da Silva Mesquita, 18, foram socorridos, mas não resistiram e morreram antes de chegarem ao hospital. Segundo a Secretaria da Segurança Pública, os jovens sofreram uma descarga elétrica juntos, pois estavam próximos. Chovia e trovejava na região no momento do acidente. Ainda conforme a pasta, a perícia forense foi acionada e fez os primeiros levantamentos sobre o caso, que vai ser investigado pela Polícia Civil. Conforme uma parente dos jovens, o corpo das vítimas foi levado para necropsia na cidade de Sobral.

Bahia registra 673 casos de H3N2 e 8 óbitos pela doença

 

A Secretaria da Saúde da Bahia (Sesab) informou nesta terça-feira (28) que o estado registrou 673 casos de Síndrome Gripal (SG) com laudo positivo para Influenza A H3N2 e oito mortes ocasionadas pela doença. De acordo com o boletim divulgado pela Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Divep), 114 casos evoluíram para síndrome respiratória aguda grave e necessitaram de hospitalização. Dos óbitos, sete ocorreram em Salvador e um no município de Laje. Segundo a Sesab, a maior letalidade foi observada na faixa etária igual ou maior a 80 anos, com registro de seis óbitos. Os outros dois foram nas faixas de 60 a 69 anos e de 70 a 79 anos. Apenas um óbito não apresenta informações acerca da presença de comorbidades.

Bahia tem 100 cidades em situação de emergência e 471 mil afetados

 

A Bahia já tem 100 municípios em situação de emergência por causa das fortes chuvas que atingem o estado, segundo balanço divulgado nesta segunda-feira (27) pela Defesa Civil. Ao todo, 31.405 estão desabrigados e 31.391 desalojados, de acordo com dados enviados pelas prefeituras. O total de pessoas afetadas é de 471.009, com 358 feridos e 20 mortos.

Duas mortes foram confirmadas nesta segunda. O corpo de Felipe Duarte Garcia, 21 anos, que estava desaparecido desde o domingo (21), foi encontrado às margens do Rio Cachoeira, que corta Itabuna. O volume do rio subiu mais de nove metros com as chuvas.

Felipe foi arrastado pela correnteza quando atravessava a BR-415, segundo relataram amigos à TV Bahia. O corpo dele foi levado para o Departamento de Polícia Técnica (DPT) da cidade.

Os bombeiros também localizaram o corpo de Maria das Neves Souza dos Santos, 33 anos. Ainda segundo a emissora, ela estava em casa, na região ribeirinha de Vila da Paz, entre a BR-415 e o Rio Cachoeira, quando a estrutura do banheiro desabou sobre ela na madrugada de domingo (26).

As mortes foram registradas em: Amargosa (2), Itaberaba (2), Itamaraju (4), Jucuruçu (3), Macarani (1), Prado (2), Ruy Barbosa (1), Itapetinga (1), Ilhéus (1), Aurelino Leal (1) e Itabuna (2).
Por que chove tanto?


A partir desta segunda (27), o tempo começa a melhorar e as chuvas, apesar de continuarem, têm redução de volume. A previsão é de céu encoberto e pancadas de chuva na região preenchida pela cor verde mais escura no mapa do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).

A meteorologista do Inmet, Cláudia Valéria, explica que essas chuvas podem ser explicadas pelo fenômeno que acontece todos os anos chamado de Zcas, Zona de Convergência do Atlântico Sul, intensificado pelo La Niña.

“É um grande corredor de umidade que fica sobre o Estado, passando pelo oeste, Vale do São Francisco, sudoeste e sul. Este ano, por conta da maior influência do La Niña, esse fenômeno está intensificado e mais frequente, provocando chuvas mais volumosas e com maior duração”.

Municípios que decretaram situação de emergência – 2021:

1.    ALCOBAÇA
2.    AMARGOSA
3.    AMÉLIA RODRIGUES
4.    ANAGÉ
5.    ANDARAÍ
6.    ANGICAL
7.    APUAREMA
8.    ARATACA
9.    AURELINO LEAL
10.    BAIXA GRANDE
11.    BARRA DO CHOÇA
12.    BELMONTE
13.    BELO CAMPO
14.    BOA VISTA DO TUPIM
15.    BREJOLÂNDIA
16.    CAATIBA
17.    CAETANOS
18.    CAMACAN
19.    CANAVIEIRAS
20.    CARAVELAS
21.    COARACI
22.    COCOS
23.    CONCEIÇÃO DO ALMEIDA
24.    COTEGIPE
25.    DÁRIO MEIRA
26.    ENCRUZILHADA
27.    EUNÁPOLIS
28.    FIRMINO ALVES
29.    FLORESTA AZUL
30.    GANDÚ
31.    GOVERNADOR MANGABEIRA
32.    GUARATINGA
33.    IAÇU
34.    IBICARAI
35.    IBICOARA
36.    IBICUÍ
37.    IBIPEBA
38.    IBIRAPUÃ
39.    IGRAPIUNA
40.    IGUAÍ
41.    ILHÉUS
42.    IPIAÚ
43.    ITABELA
44.    ITABERABA
45.    ITABUNA
46.    ITACARÉ
47.    ITAGIMIRIM
48.    ITAJU DO COLÔNIA
49.    ITAJUÍPE
50.    ITAMARAJU
51.    ITAMBÉ
52.    ITANHÉM
53.    ITAPÉ
54.    ITAPEBI
55.    ITAPETINGA
56.    ITAPITANGA
57.    ITAQUARA
58.    ITARANTIM
59.    ITORORÓ
60.    JAGUAQUARA
61.    JEQUIÉ
62.    JIQUIRIÇÁ
63.    JUCURUÇU
64.    JUSSIAPE
65.    LAFAIETE COUTINHO
66.    LAJE
67.    LAJEDÃO
68.    LENÇÓIS
69.    MACARANI
70.    MANOEL VITORINO
71.    MARAGOGIPE
72.    MARCIONÍLIO DE SOUZA
73.    MASCOTE
74.    MEDEIROS NETO
75.    MILAGRES
76.    MUCUGÊ
77.    MUCURI
78.    MUNDO NOVO
79.    MUTUÍPE
80.    NOVA VIÇOSA
81.    NOVO HORIZONTE
82.    PAU BRASIL
83.    POÇÕES
84.    PORTO SEGURO
85.    PRADO
86.    RIBEIRA DO POMBAL
87.    RUY BARBOSA
88.    SANTA CRUZ CABRÁLIA
89.    SANTA INÊS
90.    SANTANÓPOLIS
91.    SAPEAÇU
92.    TEIXEIRA DE FREITAS
93.    TEOLÂNDIA
94.    UBAÍRA
95.    UBATÃ
96.    URUÇUCA
97.    VALENÇA
98.    VEREDA
99.    VITÓRIA DA CONQUISTA
100.    WANDERLEY

Chance de hospitalização por Covid é 70% menor com variante ômicron, aponta estudo sul-africano

Um novo estudo estudo sul-africano sugere que a variante ômicron é menos agressiva do que a delta. De acordo com os pesquisadores, as chances de uma pessoa infectada pela ômicron ser hospitalizada é 70% menor em comparação com a infecção por delta. Se comparada com as demais cepas, o percentual cresce para 80%.

O estudo liderado por pesquisadores do Instituto Nacional de Doenças Transmissíveis (NICD), foi publicado na plataforma Medrxiv como pré-print, ou seja, ainda aguarda revisão dos pares, na terça-feira (21).

“Na África do Sul, esta é a epidemiologia: a ômicron está se comportando de uma forma menos severa”, disse a professora Cheryl Cohen, do Instituto Nacional de Doenças Transmissíveis (NICD), uma das autoras do novo estudo à Reuters.

Os pesquisadores chegaram a essa conclusão após acompanhar a evolução dos 161.328 casos de Covid registrados na África do Sul entre 1° de outubro e 6 de dezembro deste ano.

A baixa severidade da ômicron, segundo o estudo, pode estar relacionada ao avanço da vacinação na população, fazendo com que as pessoas que foram infectadas pela nova variante não desenvolvam sintomas graves.

“Parte dessa redução é provavelmente resultado da alta imunidade da população”, afirmam os pesquisadores no estudo.
Os dados se referem apenas a pacientes que não foram hospitalizados. De acordo com a investigação, após a hospitalização não foram notadas diferenças consideráveis entre a agressividade das variantes.

A variante B.1.1529, conhecida como ômicron, foi reportada à OMS pela primeira vez em 24 de novembro de 2021, pela África do Sul. Desde que foi reportada, a variante causou um número recorde de casos no país.

Consulta pública para vacinação de crianças contra a Covid começa na quinta-feira (23)

  

O Ministério da Saúde anunciou, na manhã desta quarta-feira (22), que vai abrir uma consulta pública sobre vacinação infantil a partir desta quinta (23). A consulta sobre a imunização de crianças de 5 a 11 anos vai ficar aberta até 16 de janeiro. De acordo com o texto publicado no Diário Oficial da União, o período é aberto para que “sejam apresentadas contribuições, devidamente fundamentadas”. A vacinação para essa faixa etária foi autorizada pela Anvisa no dia 16 de dezembro, mas enfrenta resistência do governo federal. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou na última quinta-feira (16) a aplicação da vacina da Pfizer contra Covid-19 em crianças de 5 a 11 anos. Desde então, o ministro da saúde, Marcelo Queiroga, afirmou diversas vezes que a autorização da agência não é suficiente para iniciar a vacinação. Na segunda-feira (20), o ministro disse que a “pressa é inimiga da perfeição” e que o ministério só vai ter uma posição sobre o tema em 5 de janeiro. Queiroga também falou que só tinha recebido “um documento de três páginas” da agência e ainda esperava documentos com dossiê completo. A Anvisa rebateu as declarações do ministro, disse que não recebeu pedido formal de pareceres, mas que o envio de dossiê de análise de medicamentos para o Ministério da Saúde “não é requisito legal, ou mesmo praxe”. Entidades médicas e especialistas têm criticado a lentidão do governo. Ao contrário do Brasil, diversos países já começaram a vacinar crianças contra a Covid-19. São ao menos 16 nações, segundo levantamento do g1.

Homem rifa o próprio carro para custear tratamento de câncer de mulher e vencedor devolve prêmio

Valdir e o carro da família que foi rifado | Foto: Valdir Ribeiro/ Arquivo Pessoal

Um morador de Xanxerê, no Oeste catarinense, rifou o próprio carro para custear as despesas do tratamento de câncer da companheira. O sorteio ocorreu na segunda-feira (20) e foi transmitido em tempo real em uma das redes sociais do pintor Valdir Ribeiro.

Ao encontrar o ganhador, Vinicius Moraes, o pintor foi informado que o mesmo não ficaria com o veículo.

“O meu prazer era ganhar [a rifa] para poder devolver o carro para ele “, disse o vencedor.

Valdir explicou que o Chevette preto do ano 1978 é utilizado por ele para trabalhar e para levar Marisete Terezinha dos Santos Ribeiro até Chapecó, na mesma região, onde ela realiza consultas oncológicas que precisa além de realizar a quimio e radioterapia.

“Deu uma adrenalina, eu não esperava. A gente estava pronto para entregar o carro. Fiquei aliviado e alegre. Meu presente de Natal e Ano Novo tá na mão”, disse o pintor Valdir Ribeiro.

O momento da entrega do veículo também foi gravado e publicado por Valdir nas redes sociais.

“Eu sei porque ele ele fez [a rifa], sei o que ele já passou na vida. Então, o carro eu não quero. Eu vou devolver o carro. Jamais vou querer”, diz no vídeo o vencedor da rifa, Vinícius Moraes.

A rifa arrecadou R$ 5 mil, segundo o pintor. Os dois vivem com a renda que vem do trabalho autônomo de Valdir. Contudo, o montante não é suficiente para manter a casa e o tratamento de Marisete, que necessita de remédios comprados pela família. Foi por isso que Valdir resolveu rifar o carro.

Descoberta do câncer e a ideia de rifar o carro

Valdir conta que a descoberta do câncer da companheira ocorreu em 2018. Marisete foi diagnosticada com câncer pélvico e no intestino grosso. O casal perdeu um filho para a mesma doença, segundo o pintor.

“Ela passou por uma cirurgia para a biopsia e desde então utiliza a bolsa de colostomia”, afirma o pintor.

Valdir conta ainda que o tratamento da mulher requer cuidados especiais e que ele, que atua de maneira autônoma, não conseguia continuar trabalhando e ajudando a companheira em casa.

“Ela passa muito mal, tem ansiedade e às vezes fica muito fraca. Para não me apertar, resolvi fazer a rifa do Chevette”, lembra ele.

Valdir e Marisete | Foto: Valdir Ribeiro/ Arquivo Pessoal

 Sorteio

Os bilhetes, que custavam R$20, foram vendidos em estabelecimentos de conhecidos do pintor durante dois meses. Ao todo, 250 bilhetes estavam concorrendo ao prêmio.

O carro estava com a família há seis anos. O momento do sorteio foi gravado por Valdir por volta da 12h29.

“Resolvi gravar tudo ao vivo para ninguém ter dúvida [do resultado e de que ia entregar o prêmio]”, afirma.

Utilizando uma caixa de papelão lacrada com fita crepe, o autônomo pede ajuda para um familiar e retira o bilhete premiado. “Levou o chevetão”, disse Valdir na gravação.

Depois, por volta da 13h, o pintor encontra o vencedor para entregar o prêmio. Neste momento é que Vinícius informa que não ficará com o automóvel. O ato também foi gravado.

“Ele virou Papai Noel”, disse Valdir ao saber das intenções de Vinícius.

“Eu sei o quanto é difícil e que é o meio de trabalho dele. E é dele. Eu não quero [o carro]”, diz Vinícius.

Valdir Ribeiros e Vinicius Moraes | Foto: Valdir Ribeiro/ Arquivo Pessoal